Histórias Reais sobre John Dillinger em seu filme Inimigos Públicos

Public Enemies conta a verdadeira história de John Dillinger, um gangster que roubava bancos durante o período da grande depressão dos anos trinta nos Estados Unidos da América. John Dillinger está impresso nas mentes das vítimas de seus crimes, porque sempre mostrava um estilo impecável, cuidando de suas roupas e da qualidade dos seus casacos de alta costura.

John Dillinger se torna um mito, porque após os roubos ele costumava amortizar as dívidas de pessoas em dificuldades econômicas graves, recebendo a simpatia do público; portanto, nos EUA há um museu dedicado a ele. O gangster forma uma aliança com outro criminoso conhecido como Baby Face Nelson, junto ao qual que realiza vários roubos.

Assim como Michael Mann (roteirista) quis prestar homenagem a John Dillinger, hoje queremos prestar tributo a Michael Mann e seu filme. Mas será que Inimigos Públicos é historicamente correto? Continue lendo e descubra!


1) Dillinger tirou seus amigos da prisão após ter recebido liberdade condicional assim como Johnny Depp o faz, na primeira cena do filme Inimigos Públicos?

Não exatamente. O John Dillinger real contrabandeou armas para os presos mas não esteve presente durante a fuga. Dillinger tinha um acordo com o amigo preso Harry Pierpont, o “Pete”, de ajudar prisioneiros a escapar depois que fosse libertado em troca de participar da gangue de Pierpont, uma vez que fossem soltos. Em 22 de Maio de 1933, Dillinger foi liberto com condicional da Prisão do Estado de Indiana, na Cidade de Michigan. Ele iniciou uma série de assaltos a bancos por entre pequenas cidades de Ohio e Indiana, a fim de financiar a fuga. Em Setembro de 1933, Dilling foi capaz de providenciar o contrabando de armas num carregamento de fios para uma fábrica de camisas em que os prisioneiros estavam trabalhando. Os prisioneiros escaparam com sucesso naquele dia, enquanto Dillinger descansava sentado numa cela de Lima, Ohio – após ter sido preso, enquanto visitava sua namorada. Em 12 de Outubro de 1933, os ex-presos Harry “Pete” Pierpont, Russell Clark e Charles Makley pagaram de oficiais de polícia e foram andando até a Prisão de Allen Country. Após ser solicitada a identificação deles, o xerife Jess Sarber foi baleado e espancado. Dillinger foi solto e a esposa do xerife, Lucy, e sua vice, Sharp, foram enclausuradas. O xerife Sarber morreu mais tarde, na noite daquele dia, de seus ferimentos.

2) A morte de Charles “Pretty Boy” Floyd ajudou para que Melvin Purvis aterrasse o caso de Dillinger, conforme Christian Bale o faz no filme?

Não. Charles Pretty Boy” Floyd (Channing Tatum) foi morto em 22 de outubro de 1934, na East Liverpool, em Ohio, quatro meses após a morte de Dillinger, na parte externa do Cinema Biograph. Há uma imensa diversidade de histórias sobre o que aconteceu naquele dia, uma das quais relata a perseguição policial a Floyd por meio da floresta, antes de disparar contra ele. Já outro cenário envolve o FBI monitorando um carro suspeito por trás de um armazém de milho, antes de uma troca de tiros entre o FBI, Pretty Boy e um homem do local, que conseguiu imobilizar Pretty Boy Floyd antes do FBI tê-lo matado à queima-roupa. Embora não possamos ter certeza sobre o que exatamente ocorreu naquele dia, nenhuma das versões imputa Melvin Purvis (Christian Bale) como sendo o atirador.

3) Billie Frechette e Dillinger realmente se encontram em um clube?

Sim. Evelyn Frechette, a “Billie”, retratada por Marion Cotillard no filme Inimigos Públicos encontrou-se com John Dillinger em um salão de dança à 13 de Novembro de 1933. A foto de John Dillinger, à esquerda, mostra uma imagem de Billie Frechette e John Dillinger.

4) O pai de Dillinger realmente o espancou, quando era criança?

Sim. A história verídica por trás de Inimigos Públicos revela que o pai de Dillinger bateu-lhe com uma ripa de barril quando seu filho era ainda criança, todavia por vezes compensou a ação dando-lhe presentes, como espólios da “guerra”.

5) Houve mesmo uma disputa à tiros num apartamento onde Lester Gillis (vulgo: Baby Face Nelson) estava escondido?

Não. A disputa à tiros realmente aconteceu nos Apartamentos Lincoln Court no estado de Minnesota, em St. Paul, onde John Dillinger e Billie Frechette estavam vivendo como Sr. e Sr,ª Carl Hellman. De acordo com o livro de Paul Maccabee John Dillinger Dormiu Aqui, o gerente relatou que o casal era suspeito, após terem insistido para usarem a entrada dos fundos e terem ficado geralmente apenas lá dentro. Na noite de 30 de Março de 1934, o FBI estabeleceu vigia sobre o apartamento e, na manhã seguinte, bateram na porta. Billie Frechette os cumprimentou, dizendo que seu nome era Srª Hellman, e que ela precisava trocar-se antes que entrassem no apartamento. Logo após fechar a porta para os agentes, Homer Van Meter subiu a escada e começou a atirar contra os homens. Dillinger seguiu a ação, atirando através da porta do apartamento e, depois, no corredor, antes de escapar com Billie por uma escadaria traseira e fugirem num carro de fuga.

6) Dillinger foi realmente levado de avião para Indiana, assim como no filme Inimigos Públicos?

Sim. Após Dillinger ter sido pego em Tucson, no Arizona, foi decidido que seria extraditado a Indiana para ser julgado pelo assassinato do oficial William Patrick O’Malley, que fora morto durante o assalto ao Banco First National em East Chicago, Indiana. Ele foi saudado por uma multidão de fãs e fotógrafos no Aeroporto Municipal de Chicago, quando aterrissou.

7) Dillinger fugiu da prisão com uma arma falsa como Johnny Depp o faz, no filme?

Sim. De acordo com o livro de Dary Matera John Dillinger, Dillinger disse que talhara – com uma lâmina de barbear – a arma de brinquedo, aproveitando a quina de uma lavadeira de madeira, e que pintou-a de preto com graxa de sapato. Ele usou a alça da navalha como o cano da “arma”. Surpreendentemente, Dillinger – que estava acompanhado pelo parceiro de cela Herbert Youngblood – fez dezenas de guardas e empregados da cadeia de bobos com a arma fake.  Entre os enganados estiveram o auxiliar geral Sam Cahoon, o técnico em polimetria Ernest Blunk, o guarda voluntário Matt Brown, o deputado Kenneth Houtch (o “Butch”), o guarda Marshall Keithley, o porteiro John Kowaliszyn e o zelador Lou Baker, o qual, Dillinger trancou numa cela, com alguns dos outros. Enquanto confinava Marshall Keithley, Dillinger interrogou ao zelador sobre onde ficavam as metralhadoras de mão e as chaves dos carros. Após ter resgatado metralhadoras do escritório, ele perguntou ao zelador Baker onde ficava a garagem, já que não havia achado chave algum. John Dillinger então perguntou a outros colegas presos se qualquer deles gostaria de ir com ele. Fred Beaver, Leslie Carron e James Posey pediram para ir. Após ter prendido alguns dos da cozinha e vivenciar demorados atrasos na garagem ao tentar encontrar um carro com chaves, esses homens decidiram abortar a fuga e voltar para a cadeia.  Eventualmente, o polimetrista Ernest Blunk dirigiu levando John Dillinger, Herbert Youngblood e o mecânico Edwin Saager para fora, no carro da xerife. A foto de John Dillinger acima mostra a arma de brinquedo e uma metralhadora que ajudaram na fuga de Dillinger.

8) John Dillinger realmente fugiu da prisão no carro da xerife?

Sim. À 3 de Março de 1934, Dillinger escapou da Prisão de Crown Point com uma arma falsa e fez com que seu refém levasse-o para longe de carro, em Lake County, no Ford V-8 novinho da xerife Lillian Holley. Dirigindo no carro da xerife de Indiana a Illinois, ele violava o recém-criado Ato de Roubo a Veículos Motorizados Nacionais.  Quando o carro foi encontrado em Chicago, Dillinger foi indiciado pela ofensa federal e o FBI começou sua caça, que levou cabalmente à morte de Dillinger. A foto acima mostrada, de Dillinger, custou posteriormente os empregos da xerife Lillian Holley e do procurador Robert Estill, por terem sido amigáveis demais na situação.

Veja também3 Carros Preferidos pelos Gangsters nos anos 30

9) Os anúncios públicos sobre Dillinger realmente foram exibidos nas salas de cinema?

Sim. Em Abril de 1934, a Warner Brothers começou a mostrar um noticiário sobre a vida criminosa de Dillinger e a caça contínua por ele, na esperança de fazer brotar algumas pistas. Por muitas vezes o público aplaudiu a Dillinger e demonstrou desdém para com os agentes especiais.

10) Dillinger alguma vez viu o anúncio público sobre si mesmo quando ele estava em cartaz nos cinemas, assim como Johnny Depp o faz?

Muito embora essa seja uma cena memorável no filme de John Dillinger Inimigos Públicos, a história verídica revela que não há prova alguma de se ele de fato viu o anúncio sobre si mesmo ou não.

11) Houve realmente uma disputa à tiros um uma pousada florestal?

Sim. O tiroteio se deu na Pousada Little Bohemia em Manitowish Waters, estado de Wisconsin, na noite de 22 de Abril de 1934. Conforme os agentes do FBI iam se aproximando e cercando a Pousada, os cães do proprietário começaram a latir, porém a gangue de Dillinger não deu a mínima pra isso. Três homens, civis, que tinham acabado de terminar seu jantar foram para fora com espingardas em mãos e entraram num carro deles. Uma vez que o FBI acreditou que os latidos tinham incitado o grupo a sair dali, assumiram que aqueles homens eram suspeitos começaram a disparar tiros – após o carro não ter parado, quando solicitado. (Foi determinado, posteriormente, que os homens não teriam ouvido o FBI devido ao rádio do carro.) Um dos civis no carro foi morto. O tiroteio fez com que a gangue de Dillinger começasse a atirar desde uma janela do segundo andar. Os três homens inocentes no carro eram, muito provavelmente, caçadores, o quie explicaria suas espingardas.

12) A gangue de Dillinger escapou do tiroteio na Pousada Little Bohemia?

Sim. Pat Reilly e Pat Cherrington viram o tiroteio ter início quando retornavam de St. Paul, e inverteram o sentido do carro, voltando para a estrada principal para escaparem. John Hamilton, o “Vermelho”, John Dillinger e Homer Van Meter escaparam por uma porta traseira e rumaram pro norte ao longo do lago para a Rota 51 – onde eles mantinham um cidadão local – e fizeram que ele dirigisse para que escapassem. Tommy Caroll também escapou da pousada e foi pro norte ao longo do lago mas, poucas milhas depois, ele em dado local fez ligação direta num carro e fugiu. Nelson “Baby Face” lutou com os agentes por um tempo, antes de fugir para dentro da floresta. Em suma, um civil foi morto pelo FBI; o agente do FBI Carter foi morto por Baby Face Nelson e dois outros ficaram feridos por Nelson (um agente do FBI e oficial de polícia). As três mulheres da gangue, Helen Gillis (esposa de Baby Face), Jean Delaney (esposa de Tommy Carroll) e Marie Comforti (namorada de Homer Van Meter) foram levados sob custódia sem incidentes adicionais.

13) Os crimes de Dillinger realmente provocaram que novas leis fossem criadas?

Sim. O presidente Franklin D. Roosevelt assinou uma série de leis que o Congresso apresentou durante a onda de crimes de Dillinger. Em 18 de Maio de 1934, foram criadas leis com relação ao homicídio de policiais federais; cruzar fronteiras estaduais para evitar procuração; empregados prisionais auxiliarem um prisioneiro a fugir; e também pena de morte para ladrões de banco. Em 6 de Junho de 1934, adicionaram a capacidade de oferecer recompensa financeira por se capturar criminosos. Além disso, agentes federais receberam o direito de portar armas e efetuar prisões.

14) Billie Frechette realmente levou um tapa durante seu interrogatório, como Marion Cotillard leva no filme Inimigos Públicos?

Durante seu interrogatório, Billie Frechette testemunhou que ela foi golpeada e privada de alimentos e água por dois dias durante seu interrogatório. O FBI veementemente o nega, antes, afirmando que enquanto ela fora interrogada por dois dias seguidos, jamais apanhou. O FBI acredita que a Srtª Frechette disse tal coisa para obter simpatia durante seu julgamento.

15) O FBI realmente usou uma Madame para armar pra cima de John Dillinger?

Sim. Ana Cumpanas, que usou o pseudônimo Anna Sage, entra em cena após ser apresentada a Dillinger, através de sua amiga Polly Hamilton. Em 21 de Julho de 1934, Anna contatou o FBI buscando receber uma recompensa em dinheiro e proteção contra uma deportação por meio de auxiliar na captura dele. Ela informou ao FBI que eles estariam assistindo um filme no cinema Biograph ou no Marboro, no domingo à noite, e que ela estaria vestindo uma blusa branca e saia laranja, para que pudessem ser reconhecidos. Uma vez que ela estava ainda sem saber em qual cinema seria, agentes do FBI foram postos em ambos os cinemas enquanto o resto dos agentes permaneceu na matriz. Quando o agente do FBI Melvin Purvis os avistou chegando ao Cinema Biograph, o restante do pessoal do FBI e da polícia foi chamado ao local.

16) Anna Sage recebeu a recompensa em dinheiro por auxiliar na captura de John Dillinger?

Sim. Em 11 de Outubro de 1934, Anna Sage, cujo nome verdadeiro é Ana Cumpanas, recebeu uma recompensa de US$ 5.000 em dinheiro por sua ajuda a localizar o Inimigo Público Número Um.

17) Anna Sage foi deportada?

Sim. Embora Melvin Purvis (Christian Bale) tenha tentado impedir que Anna Sage fosse deportada, estava fora de sua alçada e Serviço de Imigração e Naturalização seguiu com os procedimentos de deportação.  Em 15 de Abril de 1936, Anna foi deportada de volta à Roménia por ser considerada “estrangeira de baixo caráter moral”.

18) John Dillinger realmente passeou pelo departamento de polícia de Chicago sem ser reconhecido?

Sim. Tem sido relatado que John Dillinger teria acompanhado Polly Hamilton até a delegacia por quatro vezes para os exames de saúde que ela fazia, sem terem sido notados. Em uma entrevista ao jornal The Age de Melbourne, o ator de Inimigos Públicos Johnny Depp confirmou que Dillinger viu fotos dele mesmo na parede da delegacia. Além disso, Depp também confirmou que Dillinger perguntara a um oficial o placar de um jogo de baseball que tocava no rádio. Depp não revelou o nome da fonte por trás desses detalhes.

19) O FBI realmente pegou John Dillinger após uma exibição do filme de gangsters Manhattan Melodrama?

Sim. Anna Sage deu ao agente do FBI Melvin Purvis uma pista: que Dillinger planejava ir ver um filme no cinema Biograph ou Marbro, no domingo à noite. Após agentes terem se posicionado em ambos os locais – Dillinger foi visto entrando no Cinema Biograph na Avenida Lincoln, na qual o Manhattan Melodrama (que estrelava Clark Gable) estava em cartaz. O restante dos agentes foi então chamado ao local. Após ter tentado escapar enquanto estendia a mão para sacar uma arma, Dillinger foi baleado na rua que comportava o cinema, por agentes do FBI.

20) O agente do FBI Charles Winstead atirou em Dillinger?

Ao fim do filme de John Dillinger Inimigos Públicos, Charles Winstead visita a Billie Frechette na prisão, confirmando que ele era um dos agentes que atiraram em Dillinger. Na vida real, Winstead foi um dos três agentes do FBI que atirou em Dillinger naquela noite. Charles Winstead, Clarence Hurt e Herman Hollis foram todos reconhecidos por J. Edgar Hoover por suas ações, porém a morte deles não foi creditada a nenhum deles.

21) John Dillinger portava uma arma de fogo quando morreu?

Sim. Quando Dillinger ficou ciente da situação, tentou pegar a Colt .380 no bolso de sua calça e começou a correr em direção a um beco próximo.

Veja também6 Armas preferidas pelos Gângsters na década 30

22) As últimas palavras de Dillinger realmente foram “Adeus, Blackie. Adeus.”?

Não. De acordo com relatórios do FBI, Dillinger não pronunciou últimas palavras. No entanto, isso permanece altamente disputado. Há rumores de que ele teria dito: “Você me pegou”. Após isso, ele teria sido baleado. De qualquer maneira, as últimas palavras de Johnny Depp “Adeus, Blackie. Adeus.’ foram adicionadas pelo diretor Michael Mann para efeito dramático, para ligar a morte de Dillinger ao primeiro encontro com Billie Frechette (Marion Cotillard).

23) Alguém foi ferido durante o tiroteio na parte externa do Cinema Biograph?

Sim. De acordo com relatórios do FBI, duas mulheres na multidão também foram feridas durante o tiroteio em frente ao Cinema. A Srtª Theresa Paulus recebeu um ligeiro ferimento na pele do quadril e foi levada ao hospital Grant, enquanto a Srtª Eta Natalsky recebeu um ferimento de bala entre o joelho e a coxa e foi levada ao Hospital Columbus. Ambas as mulheres receberam tratamento e foram liberadas sem danos permanentes.

24) Melvin Purvis realmente cometeu suicídio?

De acordo com os obituários de Melvin Purvis, ele teria atirado em si mesmo através da mandíbula com uma pistola automática calibre .45 no corredor do andar de cima de sua casa em Florence, Carolina do Sul, em 29 de fevereiro de 1960. Embora o seu médico alegue que ele estivesse depressivo antes de sua morte, há especulações de que Purvis teria acidentalmente atirado em si mesmo enquanto tentava desalojar uma bala presa na pistola. Suicídio veio a ser a teoria mais popular a que se tende, uma vez que seu ex-chefe do FBI, J. Edgar Hoover, tinha condenado Purvis ao ostracismo (afastamento) da agência devido a sua inveja.

E aí Amigo, o que achou a respeito da verdadeira história de John Dillinger? Comenta aí e compartilha com seus amigos.

Ad Mafia Academy png1200

Add Comment

os corleonesi
O clã mafioso Corleonesi: Uma facção que agregou muitos nomes de peso no mundo da Máfia
tráfico de drogas
A Era de Ouro do Tráfico de Drogas: Como Metanfetamina, Cocaína e Heroína se Moveram pelo Mundo Todo
Frattiano
Família criminosa de Los Angeles, mais conhecida como “Mickey Mouse Mafia”
Pizzo-Cosa Nostra-extorçao
Qual é a principal atividade da Cosa Nostra?
film cassino fatos
25 Coisas que Talvez Você Não Sabia sobre o filme “Cassino”
Quem foi Mario Puzo
O Pai do Poderoso Chefão: Mario Puzo
rene-trupo4
Top 13 Oficiais Mais Corruptos dos Filmes sobre Gângster
os bons companheiros
Os Bons Companheiros Na Real
Top 10 Gangues de Motociclistas
Top 10 Gangues de Motocicletas Mais Perigosas
gangsters e contrabando 1920
Bootleggers: O Contrabando na América do Norte
estilo gangster mafioso
Por que os Mafiosos são tratados mais como Celebridades do que como Criminosos desagradáveis?
A Insolarada - iate al capone
A Islamorada: O iate de Al Capone no Canal do Panamá