Top 5 Histórias Reais da Máfia por trás do “O Poderoso Chefão”

O Poderoso Chefão sempre permeou uma linha muito tênue entre realidade e ficção ligada à Máfia mesmo antes do filme chegar aos cinemas. Baseado no livro “The Godfather” de 1969, escrito por Mario Puzo, O Poderoso Chefão conta a história de uma família de origem italiana pertencente à Máfia. O conteúdo do livro formou a base para os primeiros dois capítulos da Trilogia dirigida por Francis Ford Coppola.

Se prepare para conhecer os verdadeiros mafiosos que inspiraram os personagens do filme, quais das visitas mortais foram motivadas em acontecimentos verdadeiros, e também saiba como a Máfia tentou impedir que o filme fosse produzido. Veja a seguir Top 5 Histórias Reais da Máfia por trás do “O Poderoso Chefão”.

1) Don Corleone e Frank Costello

Vito Corleone e Frank Costello

Vito Corleone e Frank Costello

Don Corleone foi inspirado no chefão real da máfia, Frank Costello. Vito Corleone tem muitas semelhanças com muitos mafiosos da vida real, incluindo Joe Profaci, que usou a sua distribuidora de azeite como fachada para as suas atividades ilegais, e Carlo Gambino, que usou um estilo pouco chamativo em sua rota para o poder. Contudo, Don Vito é mais familiar a Frank Costello, conhecido como o “primeiro ministro” da máfia.

Costello preferia chamar pouco a atenção para si e para a máfia, escolhendo sempre que foi possível, a razão em detrimento da violência, usando-se da diplomacia, e muito de seus contatos na política e no mundo dos negócios, para manter o poder.

Marlon Brando, inclusive, baseou a voz de Corleone na de Costello, depois de ouvir a algumas fitas dele testemunhando para o Comitê Kefauver sobre o crime organizado.

2) Moe Greene e a morte de Bugsy Siegel

Moe Greene e Bugsy Siegel

Moe Greene e Bugsy Siegel

A vida e morte de Moe Greene imita a morte do mafioso Bugsy Siegel. No Poderoso Chefão, Moe Greene leva o crédito por colocar Las Vegas no mapa. Na vida real, foi o gangster judeu Benjamin “Bugsy” Siegel, que construiu o mais famosos cassino controlado pela Máfia, o Flamingo – hoje o mais antigo resort de Las Vegas.

Assim como Greene, que foi memoravelmente atingido no olho por ter traído a família Corleone, Siegel levou um tiro na cabeça após ter roubado dinheiro da máfia para construir o seu cassino. E assim, os Corleone tomam posse do negócio de Greene, e logo após a morte de Siegel a máfia começou a controlar o Flamingo.

Veja também: A Historia Completa da Máfia em Las Vegas

3) Michael Corleone e a cena do restaurante

A cena do restaurante de Michael Corleone é parecida com um dos acontecimentos mais importantes na história da máfia. No Poderoso Chefão, após encontrar dois dos inimigos de seu pai num restaurante italiano para colocar fim à sua disputa, Michael os matam com tiros de uma arma que ele havia escondido no banheiro.

Em 1931, Charles “Lucky” Luciano encontra-se com seu chefe, Joe Masseria, num restaurante italiano. Quando pede licença para ir ao banheiro, assassinos entram no lugar, e atiram em Masseria mais de vinte vezes e vão embora. Top 10 Mais Brutais Assassinatos da Máfia em Nova York

4) Mafiosos viajam para a Itália quando a situação não vai bem

Michael Corleone na Sicilia

Michael Corleone na Sicilia

Após o tiroteio no restaurante, Michael Corleone viaja para a Sicília, onde se apaixona e casa com Apollonia Vitelli. Vito Genovese, (mafioso da vida real), também viajou para a Itália, fugindo das consequências de um de seus assassinatos. Ele retornou aos Estados Unidos, somente quando as acusações foram abandonadas.

Depois de ser deportado, Lucky Luciano também se mudou para a Itália e continuou regendo os negócios da Cosa Nostra Americana mesmo de longe. Entretanto, na Itália, Luciano se apaixonou por uma mulher vinte anos mais jovem. Ainda que nunca tenha sido confirmada uma união oficial entre os dois, sabe-se que ficaram juntos por 11 anos, até a morte dela em 1959.

Veja Também: Visitas aos locais do Poderoso Chefão na Sicília

5) A Máfia em Hollywood

hollywood

A Máfia intimidou os executivos e produtores de O Poderoso Chefão para impedir o filme de ser produzido. Na realidade o chefe Joe Colombo e a máfia de Nova York, se mobilizaram contra a produção de O Poderoso ChefãoSe diz que foi porque os mafiosos estavam cansados de ver ítalo-americanos sob uma luz ruim no filme, assim, a máfia começou a intimidar o time de produção do filme: o produtor Al Ruddy teve seu carro seguido e quebrado.

A gota final veio quando o executivo da Paramount, Robert Evans, recebeu uma ligação em sua casa, ameaçando sua esposa e seu filho recém-nascido. Al Ruddy convocou, então, uma reunião com o próprio Joe Colombo para discutir o problema. Joseph Anthony “Joe” Colombo disse, que ele pararia se a palavra “máfia” fosse retirada do roteiro – algo muito fácil de ser feito, já que a palavra só aparecia nele uma vez.

Veja também: A Máfia por trás do Poderoso Chefão 2

Mafia Academy

9 Comments

  1. Júlio Pimenta
    5 de junho de 2016
    • André Carvalho
      13 de outubro de 2017
      • Estilo Gangster Mafioso
        15 de outubro de 2017
        • Júlio
          15 de outubro de 2017

Add Comment

O Chefe Está Morto mas a Máfia segue Viva, afirma Magistrado e Mafioso
Cuntrera-Caruana mafia cosa nostra
O Clã Mafioso Cuntrera-Caruana
os corleonesi
O clã mafioso Corleonesi: Uma facção que agregou muitos nomes de peso no mundo da Máfia
tráfico de drogas
A Era de Ouro do Tráfico de Drogas: Como Metanfetamina, Cocaína e Heroína se Moveram pelo Mundo Todo
film cassino fatos
25 Coisas que Talvez Você Não Sabia sobre o filme “Cassino”
Quem foi Mario Puzo
O Pai do Poderoso Chefão: Mario Puzo
rene-trupo4
Top 13 Oficiais Mais Corruptos dos Filmes sobre Gângster
os bons companheiros
Os Bons Companheiros Na Real
Top 10 Gangues de Motociclistas
Top 10 Gangues de Motocicletas Mais Perigosas
gangsters e contrabando 1920
Bootleggers: O Contrabando na América do Norte
estilo gangster mafioso
Por que os Mafiosos são tratados mais como Celebridades do que como Criminosos desagradáveis?
A Insolarada - iate al capone
A Islamorada: O iate de Al Capone no Canal do Panamá