Mafia: Códigos e Rituais de afiliação entre mito e realidade

A lenda dos três cavaleiros espanhóis. Sangue que jorra, punhais e beijos: como se entra nas organizações criminais?

O ritual se chama “punciuta”, que consiste em fazer sair algumas gotas de sangue que devem cair sobre um santinho para queimar. Com a promessa de que suas carnes queimarão como as chamas em caso de traição.

É uma das partes finais do juramento para o “batismo mafioso”, que marca a entrada de um novo membro a honrada sociedade. O ritual é de fundamental importância, uma única impressão digital, elementos e terminologias recorrentes no tempo e no espaço.

Referências a Garibaldi

A frase ‘Il Buon Vespero’ abre todas as cúpulas até agora conhecidas; e a referências explicitas a Garibaldi (patriota italiano), Mazzini (político) e La Marmora (general) são até mesmo documentados nas escutas telefônicas da Polícia italiana do Ros em seguida, tornada pública em 18 de novembro de 2014 durante uma grande blitz contra a ‘Ndrangheta no Norte.

“Buon Vespero e santa sera ai santisti! Mesmo nesta santa Noite, no silêncio das trevas e sob a luz das estrelas e do esplendor da lua, formo a santa cadeia! Em nome de Garibaldi, Mazzini e La Marmora, com palavras de humildade, formo a Santa Sociedade!”

Juro e nego tudo

E ainda – diga comigo: “Juro de negar tudo até o fim da sétima geração… toda a sociedade criminal em mim até hoje reconhecida para proteger a honra de meus sábios irmãos! Em nome de Garibaldi, Mazzini e La Marmora, passo meu voto em nome de…”.

Por fim: “Se antes eu o conhecia como um sábio irmão “feito” e não fidelizado, deste momento o conheço por meu sábio irmão! Sob a luz das estrelas e o esplendor da lua, projeto a santa cadeia! Em nome de Garibaldi, Mazzini e La Marmora, com palavras de humildade, é formada a Santa Sociedade“.

Ritos muitas vezes subestimados

Enzo Ciconte, professor de História da criminalidade organizada na Universidade de Roma, explica que o ritual de afiliação serve para enobrecer a participação em um grupo criminoso. Os rituais vêm relegados muitas vezes a um aspecto folclórico e por isso subestimados. Representam, no entanto, elementos cruciais segundo o qual devem passar todos os afiliados. Na linguagem mafiosa, determinam quem tem o poder de vida ou morte e não há possibilidades de voltar atrás “.

Osso, Mastrosso e Carcagnosso: Lenda para enobrecer a Máfia

Os códigos utilizados nas afiliações foram analisados por vários autores ao longo dos anos. Fontes confiáveis datam em 1888 a primeira fórmula encontrada e a colocam na região da Calábria, a Nicastro, um dos três municípios que compõem a atual Lamezia Terme, onde todos os anos se efetua o festival de livros sobre a máfia.

Há, porém, uma lenda, aquela que “enobrece” a máfia, que remonta ao início do século XV.

cavaleiros-da-mafia

Osso, Mastrosso e Carcagnosso, os três cavaleiros da lenda que “enobrece” a Máfia.

Três cavaleiros espanhóis Osso, Mastrosso e Carcagnosso, que nos tempos antigos para vingar a honra de sua irmã mataram um homem e foram condenados à prisão na ilha de Favignana, na Sicília. Ali trabalharam por 29 anos, 11 meses e 29 dias nas regras sociais.

No final do período de retenção amadureceram as regras de honra e o código de omertá que compunha o código da “sociedade” marcando o futuro das organizações criminosas da máfia italiana. Osso fundará Cosa Nostra na Sicilia, Mastrosso a ‘Ndrangheta na Calabria e Carcagnosso a Camorra em Napoli.

A Camorra é a origem

E apesar da ilha de Favignana fazer parte do arquipélago de Egadi, na Sicília, a história dos três cavaleiros coloca a Camorra como a origem das máfias.

A Camorra reside na ilha de Favignana em um túmulo grande, secreto e profundo. A máfia deriva da Camorra também do ponto de vista histórica documental, mas com uma data e um lugar diferente. Seria um fenômeno nascido em Nápoles em prisões Bourbon em imitação do comportamento maçônico. Se concretizava em uma espécie de extorsão entre condenados para a gestão da cama ou assentos no interior das células.

Reposição infinito do chefe

Isaia Sales, professor de criminalidade organizada na Universidade Suor Orsola Benincasa de Napoles, o diz claramente: A Camorra é a única organização desorganizada. Esta definição de grupos anarquistas ligados uns aos outros não mudou até hoje e, portanto, também explica o elevado nível de contenda no seu interior. A fragmentação no território, em vez de enfraquecer a estrutura, torna-a ainda mais forte. Quando é aniquilada uma gangue, tem imediatamente uma outra para assumir o lugar. É a estrutura com a mais alta substituição de chefe: um exército de delinquentes com uma troca infinita.

Camorra: 5 Informações Obrigatoria sobre a Máfia Napolitana

O hábito de sangue jorrando é comum a todos

Se a Camorra se caracteriza pela alta contenda dentro dela, pela sua imprevisibilidade e pelo uso de violência de maneira ocasional e frequente, do ponto de vista do ritual da filiação não parece haver grandes diferenças com a Cosa Nostra e a ‘Ndrangheta. 

Neste caso também existe uma ‘pungitura’ para fazer jorrar o sangue do novo afiliado.

punciuta - ritual afiliação mafia

Abandoná-la nunca

De fato. Os três cavaleiros espanhóis que, sempre de acordo com a mitologia mafiosa, simbolizam Jesus Cristo, São Miguel Arcanjo (patrono também da polícia estadual) e São Pedro em um cavalo branco para proteger a correspondência da sociedade, prometendo que “a Camorra na minha mão é como a hóstia consagrada nas mãos do sacerdote que morrer sim, mas abandoná-la nunca.”

Punhal de Omertá

É a eles que se deve a formalização do ritual, a matriz de todas as variantes posteriores:

“Juro sobre este punhal de omertá com a ponta molhada de sangue e na frente da honrada sociedade, de ser fiel aos meus companheiros e de renegar pai, mãe, irmãs e irmãos e de cumprir todos os meus deveres e, se necessário, também com sangue.”

O juramento era selado com um aperto de mão e um beijo a ser dado no chefe da sociedade.

O famoso beijo

O beijo é definitivamente o gesto ritual que os italianos têm bem presente e que mais se identifica com a afiliação na Cosa Nostra; assim como eles compreenderam a importância da “pungitura” como um símbolo de reconhecimento da máfia siciliana.

Jovens analfabetos que sonham em crescer. Fantasia estimulada

Não obstante os fundamentos do ritual de afiliação (a pungitura, o santinho para queimar, o juramento, a disposição de homens de honra em forma de ferradura) comuns a máfia, têm ocorrido ao longo dos anos uma infinidade de pequenas variações.

Enzo Ciconte analisa alguns rituais em seu livro Ritos Criminais. Os códigos de afiliações na ‘Ndrangheta. O simbolismo durante o ritual de afiliação, escreve Ciconte, era feito de propósito para inflamar a imaginação dos jovens analfabetos provenientes das classes sociais mais humildes, que sonhavam em crescer, de serem reconhecidos e respeitados.

Ciconte também retraçou a estrutura dos códigos, do ponto de vista do histórico e documental, pelo menos as últimas décadas do século XIX e confirma a teoria que eram resultados das suas relações em prisões entre maçons e outros detidos.

Filiação no anoitecer

Não se conhece, no entanto, qual seja a origem das variantes das afiliações e se há alguém que a ‘autoriza’. Por exemplo, não se sabe como ou por que um dos rituais ‘Ndranghetista prevê que a afiliação deva ser feita no último sábado do mês, ao anoitecer, se possível entre 17 e 18′.

Mas se as máfias se evoluem cada vez mais, se enriquecem de pessoas com diplomas, se ocupam de finanças e concursos públicos, como é possível que esses rituais arcaicos sobrevivem ainda?

Senso de pertencimento

A resposta é dada, mais uma vez, por Enzo Ciconte: Aquela de Osso, Mastrosso e Carcagnosso é uma história lendária que se tornou verdadeira pela força de se repetir obsessivamente. Os códigos proporcionam uma sensação de pertencimento e uma ideia de comunidade para homens, que para emergir e submergir o próximo, com a violência, tiveram a necessidade de uma ideologia e uma cultura que justificassem as ações.

Mafia Academy

2 Comments

  1. Angelica
    23 de julho de 2017
  2. Dirlei José Boff
    23 de setembro de 2017

Add Comment

O Chefe Está Morto mas a Máfia segue Viva, afirma Magistrado e Mafioso
Cuntrera-Caruana mafia cosa nostra
O Clã Mafioso Cuntrera-Caruana
os corleonesi
O clã mafioso Corleonesi: Uma facção que agregou muitos nomes de peso no mundo da Máfia
tráfico de drogas
A Era de Ouro do Tráfico de Drogas: Como Metanfetamina, Cocaína e Heroína se Moveram pelo Mundo Todo
film cassino fatos
25 Coisas que Talvez Você Não Sabia sobre o filme “Cassino”
Quem foi Mario Puzo
O Pai do Poderoso Chefão: Mario Puzo
rene-trupo4
Top 13 Oficiais Mais Corruptos dos Filmes sobre Gângster
os bons companheiros
Os Bons Companheiros Na Real
Top 10 Gangues de Motociclistas
Top 10 Gangues de Motocicletas Mais Perigosas
gangsters e contrabando 1920
Bootleggers: O Contrabando na América do Norte
estilo gangster mafioso
Por que os Mafiosos são tratados mais como Celebridades do que como Criminosos desagradáveis?
A Insolarada - iate al capone
A Islamorada: O iate de Al Capone no Canal do Panamá