Família Bonanno: A primeira a ser expulsa pelo Conselho de Cosa Nostra

Fundada e nomeada após Joseph Bonanno, esta família foi o primeiro clã de Nova York a ser expulso da Comissão de Cosa Nostra (a segunda foi a família Colombo na década de 1990).

A Comissão é um conselho dos chefes que ajudam a manter a ordem na Máfia. As infrações inaceitáveis que levaram à família a ser expulsa foi a alegação de que ela estava lidando ativamente com heroína e lutando pelo controle da liderança.

Estes crimes eram inaceitáveis e os membros da comissão decidiram expulsar a família Bonanno. Desde então, a família enfrentou uma liderança instável com a atuação do chefe Carmine Galante que foi assassinado sob a ordem do patrão preso Philip Rastelli.

Esta família sofreu duas grandes indignidades. A primeira veio em 1981, quando souberam que um agente do FBI que se chamava Donnie Brasco tinha se infiltrado na organização. A segunda vez foi em 2004, quando o chefe Joseph Massino, que já trouxe a família de volta para estatura respeitável e de volta à comissão, tornou-se o primeiro chefe da máfia na história a se tornar um informante do FBI.

História: Origem siciliana

As origens da família Bonanno pode ser rastreada desde o início dos anos 1880, na cidade de Castellammare del Golfo localizado na província de Trapani, na Sicília. Durante os anos 1900, os principais membros das famílias Bonanno, Bonventre e Magaddino se mudaram para Nova York, formando o clã Castellammarese devido a sua rivalidade com Felice Buccellato, o chefe do clã Buccellato Mafia.

Os recém-chegados Bonanno, Bonventre e Magaddino, membros da máfia, começaram a estabelecer o domínio e o controle na comunidade Castellammarese de Williamsburg no Brooklyn. No período que estavam operando no Brooklyn, os líderes Castellammarese conseguiram preservar o futuro da organização criminosa.

A guerra Castellamarese

Em 1927, a violência eclodiu entre as duas facções rivais da máfia de Nova York e logo se transformou em uma guerra também conhecida como a Guerra Castellammarese. Tudo começou quando membros do clã Castellammarese começaram a fazer sequestro de caminhões de licor ilegal que pertenceram a Giuseppe “Joe the Boss” Masseria.

O pequeno clã Castellammarese foi baseada em Williamsburg, Brooklyn e liderada por Nicola “Cola” Schiro que tentou trabalhar com Masseria. Mas um dos líderes do grupo Salvatore Maranzano queria assumir o controle sobre o submundo de Nova York.

Maranzano assumiu o controle do clã Castellammarese dando continuidade a uma sangrenta Guerra da Máfia. O clã Castellammarese foi organizado e mais unido do que os membros da família Masseria. Aliados poderosos do Maranzano que o apoiaram, eram companheiros de Castellammarese, o chefe Stefano Magaddino da Família Buffalo, o chefe Gaspar Milazzo da família Detroit e o chefe da família Philadelphia, Salvatore Sabella.

A facção de Maranzano incluía os poderosos mafiosos de Nova York, Joseph Bonanno, Carmine Galante, Gaspar DiGregorio e outros. Ele também manteve uma estreita relação com Joseph Profaci, o chefe da família Profaci de Nova York e uma aliança secreta com o chefe da família Bronx Reina, Gaetano Reina.

Depois do assassinato de Reina em 26 de fevereiro de 1930, membros da facção Masseria começaram a desertar. Em 1931, o momento tinha mudado em favor da Maranzano e sua facção Castellammarese. Maranzano receberia ajuda dos desertores da facção Masseria, como Charles “Lucky” Luciano, Vito Genovese, Frank Costello, o chefe da família Reina, Tommy Gagliano e Tommy Lucchese.

Luciano, o líder de um grupo denominado “Jovens Turcos”, queria acabar com a guerra. Ele fez um acordo secreto com Maranzano para ter Masseria morto. Em 15 de abril de 1931, Masseria foi assassinado, terminando a longa guerra Castellammarese.

A comissão

Depois do assassinato de Masseria, Maranzano se tornou o novo “chefe dos chefes” e arquitetou um plano de paz para todos os líderes da Sicília e da máfia italiana nos Estados Unidos. Haveria 24 organizações também conhecidas como “famílias” em todo os Estados Unidos, que iria eleger o seu próprio chefe.

Em Nova York, as cinco famílias mafiosas foram estabelecidas e dirigidas por Salvatore Maranzano, Lucky Luciano, Vincent Mangano, Tommy Gagliano e José Profaci. Maranzano logo começou o plano de matar Luciano, mas antes que ele tivesse a chance, Maranzano foi assassinado em 10 de setembro de 1931 por gangsters judaicos.

Luciano, em vez de se tornar o novo “chefe dos chefes”, foi retirado da posição e estabeleceu a Comissão para regulamentar os assuntos das famílias. Os membros da Comissão eram o chefe da família Luciano Charles “Lucky” Luciano, que serviu como chefe da Comissão, O chefe da família Mangano, Vincent Mangano, chefe da família Gagliano, Tommy Gagliano, chefe da família Profaci, Joseph Profaci, chefe do Chicago outfit, Al “Scarface” Capone e o chefe da família Maranzano (atualmente família Bonanno), Joseph Bonanno.

A Era Bonanno

Uma das cinco ramificações estabelecidas foi liderada por Joseph “Joe Bananas” Bonanno, criada por parte da Família Maranzano. Bonanno era, na época, o mais jovem dos chefes das cinco famílias aos 26 anos de idade.

Dirigiu a família para as populares relações do crime organizado, envolvendo jogos de azar, agiotagem e extorsão. A família Bonanno foi considerada a ligação mais próximo das cinco famílias por ter sido composta principalmente de sicilianos da cidade costeira, onde Bonanno nasceu, em Castellamare del Golfo, Sicília.

Bonanno acreditava muito em relações de sangue e em uma educação rigorosa, pois seria a única maneira de manter os valores tradicionais da máfia. O poder de Bonanno foi devido à sua estreita relação com Joe Profaci.

Profaci era o chefe do clã de mesmo nome, uma das ‘cinco famílias’ na cidade de Nova York. A relação entre os dois chefes se tornou mais forte quando o filho de Bonanno Salvatore, “Bill” Bonanno, casou com a sobrinha de Profaci, Rosalie, em 1956.

Com a morte de Joe Profaci, em 1962, uma aliança entre Tommy Lucchese e Carlo Gambino ameaçava acabar com a posição de Bonanno.

A Guerra Bonanno

No início de 1960, a família Bonanno entrou em uma guerra civil. Chamado pelos meios de comunicação como a “separação de banana” ou “guerra de Banana”. Muitos membros da família Bonanno ficaram cautelosos, queixando-se que o chefe Joseph “Joe Bananas” Bonanno nunca estava por perto.

Joe Bonanno ficava na sua segunda casa em Tucson, Arizona. Mais tarde, a Comissão decidiu que ele não merecia ser chefe, nomeando Bonanno capo e Gaspar DiGregorio como o novo chefe.

A família era dividida em duas facções, aos adeptos de Digregorio e os que eram leais a Bonanno. Os leais a Bonanno foram conduzidos por seu cunhado Frank LaBruzzo e pelo filho de Bonanno, Bill.

Em 1966, ainda não tinha havido nenhuma violência de ambos os lados. Os homens de DiGregorio chegaram à reunião, ocasionando um intenso tiroteio. Os Digregorio planejaram acabar com a oposição, mas falharam e ninguém foi morto. Outras ofertas de paz de ambos os lados foram rejeitadas com a violência e muitos assassinatos acontecendo. A Comissão se cansou do caso e substituiu DiGregorio com Paul Sciacca, mas a luta continuou independentemente.

A guerra foi finalmente levada a um fim com Joe Bonanno, ainda escondido, sofreu um ataque cardíaco e anunciou a sua aposentadoria permanente em 1968. Ambas as facções se uniram sob a liderança de Sciacca. Para o seu posto ficou “Diamonds Joe” Natale Evola. A liderança de Evola foi de curta duração, sendo sua morte (de causas naturais) em 1973, responsável por trazer Phillip “Rusty” Rastelli à chefia.

Regime Rastelli – Galante

Devido à luta interna da família Bonanno, Rastelli foi rejeitado pelas outras famílias e despojado de seu lugar na Comissão.

Assumiu, então, o comando de uma organização aparentemente com os dias contados. O ex-amigo de Rastelli, Carmine Galante, se tornou um renegado poderoso e perigoso.

Tendo anteriormente atuado como um ponto para a importação de heroína para os EUA via Montreal, Galante começou a refinar as operações de tráfico de drogas da família. As ofertas incrivelmente lucrativas foram capazes de fazer uma fortuna à família, mas as outras quatro famílias foram mantidas fora dos arranjos.

Quando oito membros da família Genovese foram assassinados sob a ordem de Galante por tentar acabar com a sua operação de drogas, as outras decidiram que ele teve a sua utilidade ao chefe da família Bonanno.

Em 12 de Julho de 1979, Galante foi morto a tiros por três homens em um restaurante na área de Bushwick de Brooklyn.

Rastelli assumiu mais uma vez, mas a luta interna da família estava longe de terminar. Três soldados renegados – Phillip Giaccone, Alphonse “Sonny Red” Indelicato e Dominick “Big Trin” Trinchera – começaram a questionar abertamente a liderança de Rastelli e, aparentemente, traçaram planos para derrubá-lo.

Com a benção das outras famílias, Rastelli teve os três homens mortos.

Donnie Brasco

Dois dos homens envolvidos no assassinato dos três soldados desonestos eram Benjamin “Lefty Guns” Ruggiero e seu capo Dominick “Sonny Black” Napolitano. Brasco foi um agente disfarçado do FBI Joe Pistone, ficando infiltrado na família por seis anos.

Depois do caso Donnie Brasco, a Comissão da Máfia removeu a família Bonanno do painel. No entanto, quando o governo federal fez acusações contra o chefe da máfia a comissão de julgamento evitou as acusações aos Bonnanos.

Como resultado, a família Bonnano foi capaz de manter a sua liderança intacta, construindo o seu poder novamente.

Sob o comando de Joseph Massino

A morte de Rastelli, em 1991, após um período em que ele governou a família de dentro da prisão, foi sucedida pela ascensão de Massino. Finalmente, a família tinha encontrado um homem que poderia reverter sua sorte. Ao promover uma maneira muito mais secreta de fazer negócios, Massino não apenas se concentrou no comércio de narcóticos como também em outras áreas, todas menos prováveis de chamar a atenção das autoridades, como as ações da máfia no comércio de extorsão, lavagem de dinheiro e agiotagem.

Um amigo próximo de Massino e chefe da família Gambino, John Gotti, também ajudou a obter os Bonanno um lugar em “A Comissão” novamente. A família se reagrupou, enquanto as outras famílias viam os seus chefes visados pela polícia por delitos de drogas.

Quando Massino se tornou informante

Massino conseguiu se manter limpo até que morte de Napolitano voltou para assombrá-lo. Ele e seu subchefe, Salvatore Vitale, foram acusados pelo crime em 2003, após dois de seus soldados se tornarem testemunhas do governo.

Vitale, que até esse ponto foi totalmente leal a seu chefe, também enfrentou mais uma acusação de assassinato e decidiu mudar de lado, condenando Massino à prisão perpétua. A pena tinha sido uma possibilidade para Massino, mas, em 2004, se tornou o primeiro chefe que serviu para se transformar informante, o que o poupou a pena final.

O ex-chefe Joseph Massino forneceu à polícia informações sobre membros do alto escalão da família Bonanno e ex-chefe interino Vincent Basciano, cujas conversas com Massino foram gravadas no final de 2004 e início de 2005 pelo próprio traidor.

Antes de Massino tornou-se ele próprio um informante, o seu chefe interino do lado de fora era Anthony “Tony Green” Urso, mas seu mandato foi de curta duração como ele também foi preso em numerosas acusações, levando a Basciano tomar o controle. O período de Vincent Basciano como chefe interino foi prejudicada com a sua prisão no final de 2004, mas com eventual traição de Massino, as autoridades afirmam que Basciano assumiu o controle em 2005, sendo supostamente o chefe atual.

As autoridades continuam a atormentar a família, com a detenção de 16 de fevereiro de 2006 do chefe interino Michael Mancuso por acusações de homicídio, enquanto o suposto chefe, Vincent Basciano, foi recentemente condenado por acusações de conspiração por assassinato, tentativa de assassinato e jogo ilegal, sendo condenado à prisão perpétua no final de 2007.

A sua principal acusação era que conspirou para assassinar tanto o juiz quanto o promotor do caso, bem como Patrick DeFilippo, um companheiro que era capitão da família Bonanno.

A liderança de Basciano

As autoridades federais de aplicação da lei afirmaram recentemente em uma coluna no New York Daily News que o chefe atual da família Bonanno, Vincent Basciano, nomeou o Salvatore “Sal do Ironworker” Montagna, 35 anos de idade, de Long Island como o novo “patrão” da Família Bonanno.

Sal Montagna era um soldado desconhecido na tripulação Bronx; de soldado Patrick “Patty do Bronx” DeFilippo tornou-se capitão da tripulação após a detenção de DeFilippo de 2003 sobre homicídio e extorsão de encargos.

Fontes policiais afirmaram que Salvatore Montagna foi tabulado como “chefe interino” com o consentimento de Vincent Basciano para manter a base de poder da família Bonanno dentro da facção Bronx da família Bonanno. A base da família Bonanno de poder era tradicionalmente realizada pela facção do Brooklyn desde o tempo do patriarca da família Joseph Bonanno, até a eventual ascensão do líder da facção do Queens Philip “Rusty” Rastelli no início de 1970.

A ascensão da facção do Bronx começou com a promoção de Basciano a chefe interino, eventual ascensão à posição de chefe, continuou por meio do curto mandato de Michael Mancuso e agora permanece com Sal Montagna agindo em nome de Basciano.

O recém-empossado chefe interino é, por vezes, referido como “Sal do Zip”. Isso porque ele é da cidade de Castellammare del Golfo de Joseph Bonanno, que está intimamente associado com a facção siciliana e companheiro da família Castellammarese, Baldo Amato, que está atualmente na prisão e ex-Bonanno Capo Cesare Bonventre que foi assassinado em 1984.

Em julho de 2004, The New York Times informou que os procuradores federais no Brooklyn “dizem que, em geral, nos últimos quatro anos, eles foram condenados contra cerca de 75 mafiosos ou associados em um clã criminoso com menos de 150 membros.”

Vários membros principais da família Bonanno, incluindo dois ex-chefes de atuação e o atual chefe Vincent Basciano foram indiciados e condenados recentemente, reforçando a afirmação da vitória do governo sobre a família Bonanno e La Cosa Nostra de Nova York. Em fevereiro de 2005, a família Bonanno Capo Anthony “Tony Green” Urso se declarou culpado de extorsão, assassinato, jogos de azar, agiotagem, enquanto Capo Joseph “Joe Saunders” Cammarano, juntamente com o soldado Louis Restivo se declarou culpado de homicídio e extorsão de encargos.”

Sendo doze membros da família Bonanno e associados, sete deles com idade superior a 70, incluindo Anthony “Mr. Fish” Rabito e soldado Salvatore Scudiero foram indiciados e presos em 14 de junho de 2005, sobre a acusação de operar $ 10 milhões”. O golpe mais recente à família veio com a condenação de capos Louis “Louie Ha Ha” Attanasio e Peter Calabrese a 15 anos de prisão pelo assassinato de 1984 do soldado Cesare Bonventre no Queens.

A deserção de ex-chefes de família Bonanno Joseph Massino e Salvatore Vitale, fez com que a família Bonanno a perder poder, influência e respeito dentro do submundo de Nova York para um grau nunca visto desde o incidente Donnie Brasco.

Com o próximo julgamento dos soldados Michael “Mikey Nose” Mancuso e Patrick “Patty do Bronx” DeFilippo por causa de assassinato, jogo e extorsão, a capacidade da facção Bronx para permanecer no controle da família do crime foi determinado juntamente com a posição futura da família Bonanno no submundo da América do Norte.

Basciano ainda é alegado como “chefe” dos Bonanno, porém, no final de 2006, Salvatore Montagna como “chefe interino”, seguia ordens do Basciano que estava preso.

Com Nicholas “Nicky Mouth” Santora agindo como “subchefe” para o Michael Mancuso preso, e Anthony Rabito como suposto conselheiro, Montagna é capaz de executar as operações do dia a dia em nome de Vincent Basciano.

O artigo de março de 2009 em New York Post afirmou que Salvatore Montagna era o chefe interino da família Bonanno. O artigo também afirmava que a atual família Bonanno consiste de aproximadamente 115 membros. Montagna foi posteriormente deportado para o Canadá em abril de 2009, deixando a família para criar um painel de decisão até que um novo chefe foi escolhido.

A posição atual da família

Sob o governo do ex-chefe Joseph Massino, a família Bonanno voltou ao topo da hierarquia familiar do crime de Nova York e mais uma vez tornou-se poderoso no submundo da América, mas com deserções e convicções de alto nível.

Vincent Basciano está cumprindo uma pena de prisão por extorsão e Salvatore Montagna foi deportado para o Canadá. Ambos foram nomeados chefes durante a prisão de Massino e após a deserção de Massino ao FBI.

Em 11 de janeiro de 2010, Jerry Capeci citou fontes, dizendo que Nicholas Santora e Anthony Rabito, que foram ambos libertado da prisão em 2009, estão apoiando o soldado Vincent Asaro para se tornar o novo chefe da família. Um jogador chave nas negociações recentes é Vito Grimaldi, que é visto como um conselheiro para os Zips (mafiosos sicilianos nos Estados Unidos).

Chefes e liderança histórica da família Bonanno

  • 1890-1901 – (Irmão mais velho de Salvatore e Stefano Bonanno e tio para Joseph “Joe Bananas” Bonanno Iniciado o clã Castellammarese em Nova York morreu em 1901.) Giuseppe “Don Peppino” Bonanno;
  • 1908-1911 – Salvatore “Sal” Bonanno (veio para Nova York com sua esposa Caterina Bonventre e filho Joseph “Joe Bananas” Bonanno voltou para a Itália em 1911 e morreu em 1915);
  • 1911-1930 – Nicola Schiro (desaparecido em 1930 para evitar o pagamento de $ 10.000 de extorsão para rivalizar com Joe Masseria);
  • 1930 – Vito Bonventre (assassinado 15 de julho de 1930 por pistoleiros de Joseph Masseria);
  • 1930-1931 –Salvatore “César” Maranzano (assassinado setembro 1931 por pistoleiros de Lucky Luciano);
  • 1931-1965 – Giuseppe “Joseph” Bonanno (aka “Joe Bananas”) (à força aposentado pela Comissão da Máfia);
  • Subsecretário – 1956-1957 – John “Johnny Burns,” Morales;
  • Atuação- 1962-1964 – John “Johnny Burns,” Morales;
  • Atuação – 1964- vago devido à Família Bonanno – Guerra Bonanno – Comité das Capos – Gasparino DiGregorio, Angelo Caruso, Nicolino Alfano, Joseph Notaro, Thomas D’Angelo, Natale Evola, Joseph DeFilippo, Peter Crociata e Paul Sciacca;
  • Subsecretário – 1964-1965 – Ruling Comissão / Painel – a Comissão da Máfia nomeou três soldados seniores para executar a família e um relatório à Comissão até que ela selecionou um novo chefe – Gasparino DiGregorio, Angelo Caruso, e Nicolino Alfano;
  • 1965 – 1968 – Gaspar “Gasparino” DiGregorio (forçosamente substituído por Comissão da Máfia);
  • Atuação – 1966-1968 – Paul Sciacca;
  • 1968-1971 – Paul Sciacca (instalado pela Comissão da Máfia);
  • 1971-1973 – “Diamonds Joe” Natale Evola (falecido em 1973);
  • 1973-1991 – Phillip “Rusty” Rastelli (na prisão 1975 – 1984 e 1986 – 1991);
  • 1975-1979 – Carmine “Lilo” Galante (tomou o poder sem o apoio da Comissão, mas como as subchefe e maioria dos soldados resolveram apoiá-lo publicamente, ele carregava o verdadeiro poder. Ele foi assassinado em 12 de Julho de 1979;
  • Subsecretário – 1979-1983 – Salvatore “Sally Frutas” Farrugia;
  • Chefe – 1981 – Dominick “Sonny Black” Napolitano (assassinado 17 de agosto de 1981);
  • Atuação – 1987-1991 – Anthony “Old Man” Spero;
  • 1991-2004 – Joseph “Big Joe” Massino (também conhecido como “The Ear”), preso em janeiro de 2003, tornou-se informante do governo em outubro de 2004;
  • Atuação – 1991-1993 – Anthony “Old Man” Spero;
  • Subsecretário – 2003-2004 – Anthony “Tony Green” Urso;
  • Atuação – 2004-2009 – Vincent Basciano (foi o último chefe interino escolhido por Joe Massino; visto como o chefe não oficial);
  • Atuação – 2005-2006 – Michael Mancuso (preso fevereiro 2006);
  • Atuação – 2006-2009 – Salvatore “Sal do trabalhador do ferro” Montagna (deportada para o Canadá, em abril de 2009);
  • Subsecretário – 2009- Ruling Comissão / Painel – Joseph Sammartino Sr. (soldado em Nova Jersey), e outros membros;
  • Atuação – presente – Vincent Asaro (candidato para se tornar chefe oficial da família Bonnano).
Ad Mafia Academy png1200

2 Comments

  1. Gabriel Lobo
    18 de agosto de 2016
    • Estilo Gangster
      19 de agosto de 2016

Add Comment

os corleonesi
O clã mafioso Corleonesi: Uma facção que agregou muitos nomes de peso no mundo da Máfia
tráfico de drogas
A Era de Ouro do Tráfico de Drogas: Como Metanfetamina, Cocaína e Heroína se Moveram pelo Mundo Todo
Frattiano
Família criminosa de Los Angeles, mais conhecida como “Mickey Mouse Mafia”
Pizzo-Cosa Nostra-extorçao
Qual é a principal atividade da Cosa Nostra?
film cassino fatos
25 Coisas que Talvez Você Não Sabia sobre o filme “Cassino”
Quem foi Mario Puzo
O Pai do Poderoso Chefão: Mario Puzo
rene-trupo4
Top 13 Oficiais Mais Corruptos dos Filmes sobre Gângster
os bons companheiros
Os Bons Companheiros Na Real
Top 10 Gangues de Motociclistas
Top 10 Gangues de Motocicletas Mais Perigosas
gangsters e contrabando 1920
Bootleggers: O Contrabando na América do Norte
estilo gangster mafioso
Por que os Mafiosos são tratados mais como Celebridades do que como Criminosos desagradáveis?
A Insolarada - iate al capone
A Islamorada: O iate de Al Capone no Canal do Panamá