Depois a morte de Riina e Provenzano, o que sobra dos “Corleonesi”?

Após a morte dos chefes Toto Riina e Bernardo Provenzano, existem ainda muitas reações e reflexões sobre Cosa Nostra, e sobre as mudanças na luta contra a máfia. Escreve Salvatore Lupo no jornal  italiano “il Messaggero”.

Retraçamos as crônicas da captura de Provenzano

Para o público ele apareceu como um velho um pouco desgastado, desprovido de guarda-costas e de quaisquer outros símbolos de poder criminal, econômico e político, que imaginaríamos necessariamente serem relacionados com a figura de um chefe da máfia.

Foi surpreendido em uma considerada “cova”, localizada na área rural próxima a Corleone, e mais precisamente em uma estrebaria fornecida de mobílias primitivas e simples instrumentos rústicos, onde ele não consumia caviar e champanhe, mas muito modestamente ricota e chicória.

A imprensa teve grande ênfase em relatar esses itens, e os habituais peritos discursaram sobre a ética anti-consumista, ou a anti-moderna, que dizem que seria típico da eterna Máfia rural.

Em vez disso, claramente, a estrebaria não era absolutamente o esconderijo onde Provenzano governava Cosa Nostra, mas o lugar, onde em último ele tinha se refugiado (ou onde tinha sido transferido a partir do seus?), quando a pressão dos investigadores se tornou insustentável.

A máfia vem usualmente representada, de acordo aos padrões de uma desgastada mitologia tradicionalista, e nessa qualidade, como sempre, vende-se melhor: que explica o por que esses elementos de cor foram acentuados enormemente, até o limite de falsificação.

É verdade, porém, que a Cosa Nostra corleonese, era nada mais que um fenômeno folclórico entre 1979 e 1993, na fase em que ensanguentavam a Sicília e ameaçavam com atentados terroristas o Estado.

Falamos por alto de uma estação histórica terminada. Os leitores mais jovens terão a impressão de sentir a evocar um fantasma.

Na verdade, a organização Cosa Nostra, depois de 1993, foi feita de silêncio, e manteve-se assim nos 23 anos seguintes: de tal forma que os estudiosos, profissionais e simples cidadãos se perguntavam se existe hoje em dia, em Palermo e na Sicília, uma realidade política criminal definida com aquele nome, com uma clara relação de continuidade com o passado.

O poder, aquele verdadeiro, dizem os investigadores, é outra coisa

“Riina e Provenzano não deixaram nenhum poder concreto, mas apenas um pouco mais do que os escombros de sua organização. Seu sucessor deveria ser Matteo Messina Denaro; mais que um sucessor, parece ser um homem em fuga. E sobretudo, não é capaz de dar uma base sólida para Cosa Nostra “.

É o que afirma ao Quotidiano nacional, o general Mario Mori, ex-chefe do Ros nos tempos da captura de Riina.

Ao perguntar como era possível que o Estado, não foi capaz de capturar o chefe Bernardo Provenzano bem antes, e respondeu:

“Não é fácil dar uma resposta em mérito. Penso que somente após o desenvolvimento de técnicas investigativas mais consistentes e específicas, associada a alcançada consciência geral da negatividade de um certo tipo de mundo representado da Cosa Nostra, além disso, sempre mais avulsa da realidade social, mesmo naquelas terras onde o fenômeno havia tomado o início, isso tem permitido os resultados que, entre outras coisas, levaram à prisão de Riina e Provenzano. A partir da qual é derivada a gradual desintegração da organização“.

Os Corleonesi ainda vivos

Depois do desaparecimento de Bernardo Provenzano, existem ainda três chefes Corleonesi ainda vivos e todos se encontram na prisão: Salvatore Riina, Leoluca Bagarella e Giovanni Brusca. Com eles atrás das grades até mesmo o chefe palermitano Salvatore Lo Piccolo. Permanece em liberdade, em vez Matteo Messina Denaro.

Leoluca Bagarella

Histórico braço direito de Totò Riina, do qual é também cunhado, hoje com 74 anos e detido desde 24 de junho de 1995. Killer cruel, é considerado o executor material de centenas de mortes durante a segunda guerra da máfia e de outras excelentes incluindo aquele do Comissário Boris Giuliano e do pequeno Giuseppe Di Matteo.

Depois da prisão de Riina, Bagarella tomou o comando da ala militar de Cosa Nostra, o que foi favorável à continuação da chamada estratégia de assassinatos em massa, antes que ele fosse capturado.

Giovanni Brusca

Hoje, com 59 anos, Brusca é o mais conhecido arrependido de Cosa Nostra. Chefe do mandamento de San Giuseppe Jato foi preso em 20 de maio de 1996. Brusca desempenhou um papel fundamental no massacre de Capaci, pois era o homem que apertou o botão do controle remoto de rádio que explodiu o TNT, colocados em uma vala de drenagem sob a rodovia fazendo saltar no ar o carro de Giovanni Falcone e de sua escolta.

Depois do arrependimento, a condenação foi reduzida da sentença de prisão perpétua a 20 anos de reclusão.

Salvatore Lo Piccolo

Parlemitano, 73 anos, foi preso junto ao filho Sandro em 5 de novembro de 2007. Depois da prisão de Bernardo Provenzano forma uma aliança de “não beligerância” com Matteo Messina Denaro para o controle de Cosa Nostra. Condenado à prisão perpétua, seu clã era muito ativo no setor de tráfico de drogas e gestão de contratos.

Matteo Messina Denaro

O ‘primula rossa’ de Cosa Nostra. É o homem mais cercado da Itália e atual chefe da Máfia, depois de ter sido inicialmente aquela trapanese. Hoje tem 54 anos e está desaparecido desde 1993. O mais corleonese dos não corleonesi, Denaro, está ocupado em se esconder em algum lugar, em vez de exercer o poder no território. É um fantasma.

O legado continua

Cosa Nostra evoluiu, mudou a cara, ela não tem mais Pizzini para comunicar as informações.

Hoje faz pactos com outros grupos, como a ‘Ndrangheta, durante anos seu oponente, e através dela com as máfias mais perigosas do mundo, mexicanos e colombianos traficantes de drogas em primeiro lugar.

Seria neste sagrado grupo criminoso que os pesquisadores mais sérios e competentes centraram a sua ação futura.

Com o desaparecimento de Provenzano, da máfia arcaica hoje permanecem bem poucos vestígios visíveis.

Os Corleonesi sobreviveram no mito que fascina os jovens, mas também na mentalidade de “poucos homens velhos”, que tentam, com dificuldade, fazer cumprir as velhas regras de Cosa Nostra.

Mafia Academy

Add Comment

O Chefe Está Morto mas a Máfia segue Viva, afirma Magistrado e Mafioso
Cuntrera-Caruana mafia cosa nostra
O Clã Mafioso Cuntrera-Caruana
os corleonesi
O clã mafioso Corleonesi: Uma facção que agregou muitos nomes de peso no mundo da Máfia
tráfico de drogas
A Era de Ouro do Tráfico de Drogas: Como Metanfetamina, Cocaína e Heroína se Moveram pelo Mundo Todo
film cassino fatos
25 Coisas que Talvez Você Não Sabia sobre o filme “Cassino”
Quem foi Mario Puzo
O Pai do Poderoso Chefão: Mario Puzo
rene-trupo4
Top 13 Oficiais Mais Corruptos dos Filmes sobre Gângster
os bons companheiros
Os Bons Companheiros Na Real
Top 10 Gangues de Motociclistas
Top 10 Gangues de Motocicletas Mais Perigosas
gangsters e contrabando 1920
Bootleggers: O Contrabando na América do Norte
estilo gangster mafioso
Por que os Mafiosos são tratados mais como Celebridades do que como Criminosos desagradáveis?
A Insolarada - iate al capone
A Islamorada: O iate de Al Capone no Canal do Panamá