A Máfia favorece certas armas em vez de outras?

A pesquisa sobre o uso de armas é o primeiro passo para entrar nos mistérios da Máfia Siciliana. Há algum tempo, a clássica arma Máfia era uma espingarda com a haste serrada e carregada com chumbo grosso. Hoje, tornou-se menos eficaz em relação à maioria das armas modernas. Dessa forma, os mafiosos usam de tudo, de acordo com as circunstâncias. 

As armas usadas nos assassinatos por mafiosos revelam muito mais do que parece à primeira vista: o uso de uma arma em vez de outra explica como ela mudou a organização da Máfia para realizar seus assassinatos. 

Kalashnikov AK-47

Na Sicília, as armas falam, e falam também dos mortos. A chamada “guerra da Máfia”, em 1981, foi inaugurada com tiros de Kalashnikov AK-47, uma metralhadora de fabricação soviética, nunca utilizada, desde então, por Homens de Honra,. 

O primeiro a morrer sob o impacto de uma Kalashnikov foi o chefe da Máfia de Palermo, Stefano Bontate, em abril de 1982. Em seguida, já no mês de maio, Salvatore Inzerillo. Em junho, Alfio Ferlito, um mafioso de Catania. E, em 3 de setembro, essa mesma Kalashnikov mata o general Carlo Alberto Dalla Chiesa e sua esposa Emanuela Setti Carraro. 

Naqueles anos, não havia informações e conhecimentos que temos hoje da Cosa Nostra, ninguém sabia o que realmente estava acontecendo dentro da mesma organização. A AK-47 Kalashnikov foi como uma impressão digital, abriu investigações que vão longe. 

Ácido e amarração

O assassinato mafioso não tem nenhuma forma de fetichismo. Quando os mafiosos dissolvem suas vítimas em ácido são mais cruéis que outros criminosos. Afinal, fizeram isso com tantos inimigos do clã durante a “guerra da Máfia”.  

Também fizeram isso com o pequeno Giuseppe Di Matteo, um menino de onze anos, filho de um arrependido. É uma maneira de matar que não serve para afirmar a sua ferocidade em si – apesar da crueldade aparente do ato –, mas, sim, como uma pura e simples ferramenta de utilidade.  

Se um cadáver desaparece, será muito mais difícil investigar seu assassinato, coletar pistas e entrevistar testemunhas. Os mafiosos são muito pragmáticos. 

Sempre durante a guerra da Máfia, era algo muito impressionante aos palermitanos o “incaprettamento”, amarrando tornozelos e braços atrás dos ombros, com a corda passando ao redor do pescoço, para que a jugular se rompa.  

Alguns dos arrependidos, ao serem questionados pelo Ministério Público sobre o porquê de matar com tanta crueldade, ficavam muito surpresos: “Mas que crueldade “, eles responderam: “Nós os matamos, mas assim porque, em seguida, os corpos eram mais fáceis de transportar e esconder no portamalas do carro.” 

Curiosidade – No início dos anos 1980, em Palermo, se espalha uma psicose: todos controlavam os porta-malas dos carros estacionados ao longo das ruas da cidade. Se o carro estava baixo, muito perto do asfalto, corria um arrepio ao longo da espinha: significava que havia um peso que estava puxando para baixo, ou seja, havia alguém morto lá dentro. 

Os mafiosos são muito racionais: matam somente se for necessário para seus negócios, caso contrário, não matam. Calculam sempre os prós e contras de um assassinato. Às vezes, um inimigo morto pode provocar muito mais danos do que um vivo. 

Um exemplo de um crime da máfia claramente “assinado”

O mais impressionante é o de Giovanni Falcone.Máfia Cosa Nostra tinha o jurado de morte e estava apenas esperando o momento certo para fazê-lo.  

A decisão já tinha sido tomada em dezembro de 1991, por Toto Riina e seus Corleonesi. 

Um dos últimos arrependidos, Gaspare Spatuzza, revelou que – antes do massacre de Capaci – (circunstância onde Giovanni Falcone foi assassinado), o juiz deveria ter morrido em Roma, em uma emboscada na Primavera de 1992. 

As armas, os fuzis e pistolas para matar Falcone haviam sido transportadas de Roma pelo mesmo Spatuzza. Os mafiosos já haviam também feito uma perseguição na frente de um restaurante onde habitualmente Falcone ia jantar. Não era difícil matá-lo lá, já que andava sem escolta. Era um alvo conveniente, uma emboscada do tipo tradicional com dois ou no máximo três pistoleiros, uma fuga simples. 

Apesar dessa logística favorável, Spatuzza recebeu ordem de voltar à Sicília. Não deveria mais matar Giovanni Falcone de forma “fácil”: deveriam fazer uma matança. E não em Roma, mas em Palermo. Uma emboscada em Roma, com pistolas e fuzis, com “armas menores”, definiu Gaspare Spatuzza, teria tido um significado; um massacre em Palermo com TNT e uma cratera na estrada, certamente teria outro. 

Havia uma matriz diferente, de tipo “terrorista”, que a morte de Falcone deveria ressaltar: Cosa Nostra queria carregar aquela morte como tal significado. 

Amico, cuidado, estamos revelando segredos muito particulares. Deixe seu comentário abaixo e continue acompanhando esses posts por sua conta e risco, ok?  

Quer conhecer mais do nosso universo? Acesse agora mesmo Kit Mafia Academy. Mas, fica entre nós, ok? Ciao! 

Banner rodape mafia-academy

Add Comment

Yakuza ― a máfia do Japão!
Elvis Presley não morreu: por meios naturais…?!
mafia chinesa- a triade
Máfia Chinesa em Foco: A Tríade
ndrangheta-mafia-calabresa4
As 7 Máfias Mais Poderosas do Mundo
A série mafiosa old-style que você respeita: PEAKY BLINDERS, sucesso da Netflix
Top 7 Tentativas de Homicídio das Telinhas Que Fracassaram
o-poderoso-chefao-historias-e-assassinatos-reais
Top 5 Histórias Reais da Máfia por trás do “O Poderoso Chefão”
film cassino fatos
25 Coisas que Talvez Você Não Sabia sobre o filme “Cassino”
Conor McGregor
O que leva um campeão de UFC a simpatizar com a máfia? O caso de Conor McGregor
Top 10 Gangues de Motociclistas
Top 10 Gangues de Motocicletas Mais Perigosas
gangsters e contrabando 1920
Bootleggers: O Contrabando na América do Norte
estilo gangster mafioso
Por que os Mafiosos são tratados mais como Celebridades do que como Criminosos desagradáveis?